( 8 Votos )

No dia 30 de Novembro de 2010 o Diretor do IABC, Pr. Wesley Zukowski esteve presente no dia da Inauguração do Monumento da Base Aérea de Anápolis, um Avião de Caça Mirage F-103.

 

O monumento inaugurado é uma homenagem dos atuais integrantes da Baan aos pilotos que implantaram a aeronave no Brasil, chamados Dijon Boys, dos quais seis estavam presentes durante a cerimônia. Os mirage F-103 voaram na Força Aérea Brasileira durante 32 anos, tendo participado das principais operações militares nesse período e formado um total de 223 pilotos de defesa aérea. Em 31 de dezembro de 2005, essas aeronaves foram desativadas, sendo substituídas no ano seguinte pelos atuais Mirage F-2000.

O descerramento da placa oficializou a nova denominação recebida pelo Campo da Base Aérea, designada pelo Comandante da Aeronáutica em julho do corrente ano, em homenagem ao Marechal Márcio de Souza e Mello.  Em 1970, o Marechal, quando Ministro da Aeronáutica, autorizou a construção da Unidade Militar em Anápolis e a aquisição das primeiras aeronaves, por isso, o Campo recebeu o seu nome.

Sobre o Mirage F-103

Os Mirage F-103 foram escolhidas para equipar a primeira unidade de interceptação na América do Sul, na cidade de Anápolis, que realizaria a defesa da recém-transferida Capital Federal.

As aeronaves realizaram seu primeiro voo na cidade francesa de Bordeaux, em 06 de março de 1972. Em maio do mesmo ano, embarcou para a França um grupo de oito brasileiros, experientes pilotos de caça. O grupo iniciou a fase de treinamento, na Base Aérea de Dijon, com a responsabilidade de receber, operar e transmitir a doutrina de utilização da nova aeronave aos outros pilotos a serem classificados na 1ª Ala de defesa aérea.

Esses oficiais ficaram conhecidos carinhosamente como os “Dijon Boys” pelos atuais pilotos de Mirage, em reconhecimento e respeito pela abnegação e pela competência com que conduziram a implantação da aeronave no Brasil.

Fonte: Secretaria de Comunicação com informações da Assessoria de Comunicação da Baan

Fotos por: Fábio Abreu.

 

 

 

 

 

Comentários (0)add comment


busy